O que dizem os líderes religiosos

Catolicismo

Padre José Domingos Bragheto
dezembro 2009

Sempre olhei com desconfiança para qualquer coisa que resvalasse para o lado interior, tipo meditação oriental, religiões orientais, yoga etc. Isso porque, formado numa teologia bem engajada em temas sociais (TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO) e tendo eu mesmo feito a faculdade de serviço social, sempre lutei por justiça e igualdade, enfim por um mundo melhor, mais justo. Sempre achava que tudo isso de interiorização era muito alienante e não ajudava em nada nesta luta.

No entanto, há alguns anos atrás (aproximadamente sete anos), fui introduzido na MT por um grande amigo. De inicio achei que poderia ser uma dessas religiões “alienantes”, mas resolvi conhecer. Vi a palestra na sede da Meditação Transcendental em São Paulo. Achei interessante e decidi fazer o curso. Não parei mais.

Hoje tenho 60 anos e 34 anos de ministério presbiterial na Igreja Católica Apostólica Romana. Atuo numa paróquia de periferia em São Paulo. Confesso a você leitor(a) que, de fato, houve uma mudança qualitativa em minha vida. Não precisei abandonar em nada minha luta social, à qual estou engajado até hoje e muito menos meu ministério presbiterial. Ao contrário, a Meditação Transcendental me ajudou sim, a ser mais atento à própria Palavra de Deus, no sentido de escutá-la com mais silêncio interior, com mais carinho. Hoje percebo que, se não fosse o programa, não sei se estaria enfrentando os desafios pastorais onde estou trabalhando (tenho treze comunidades além das diversas pastorais). A cada programa que faço, e tenho sido regular, sinto mais energia, criatividade para poder tomar decisões e seguir adiante. Percebi que isso não é uma religião. Claro, que até pode ser para alguém que não tenha nenhuma e queira adotá-la como religião.

Prestar um tributo aos antepassados que nos legaram tanta coisa boa, tanta ciência, é mais do que um dever, assim como prestamos tributo aos nossos santos e mártires. É uma forma de agradecimento a eles e elas.

Mudei sim. E fico contente ao ouvir pessoas dizerem: “você não representa a idade que tem”, “ você é iluminado”, “você transmite paz”. Isso eu jamais ouvira antes de ter feito a Meditação Transcendental.

Assim, minha atitude hoje é de grande agradecimento em primeiro lugar a Deus que me apontou este caminho e, em segundo lugar a todas as pessoas que como anjos de Deus, me ajudaram a fazer esta viagem com destino à felicidade e à invencibilidade, o que terá sua plenitude na eternidade.

Deus o abençoe sempre!

Padre José Domingos Bragheto

 

Padre Leonard Dubi
1º de dezembro de 2008

Eu sou um padre Católico Romano de 66 anos em atividade na Arquidiocese de Chicago que já serviu em 7 paróquias em minha carreira de mais de 40 anos. Eu comecei a praticar a Meditação Transcendental (MT) aos 35 anos enquanto servia em minha terceira indicação como pastor associado. Eu ainda tive que servir em mais duas paróquias como pastor associado até que o arcebispo me tornou pastor de uma paróquia onde servi por 21 anos. Eu estou em minha atual indicação como pastor por quase três anos.

A prática da MT tem sido uma de minhas maiores prioridades na vida desde que comecei a meditar 33 anos atrás. Durante todo este período eu tenho praticado esta técnica fielmente, duas vezes ao dia, 365 dias por ano, incluindo todos os feriados religiosos ou não. Tenho meditado em aviões, navios, ônibus e carros; em aeroportos, rodoviárias, capelas de hospital, casas de amigos, assim como na minha cadeira favorita de orações em meu quarto.

O comprometimento do tempo foi costurado no tecido da minha vida espiritual. Minha oração e preparação para celebrar os Sacramentos da tradição litúrgica católica, especialmente a Santa Eucaristia, têm sido inspirados ao praticar a técnica da MT.

A experiência central diária como meditante da MT aprofundou minha apreciação das dimensões contemplativas da oração mental ensinada na tradição espiritual católica. Como uma pessoa mais calma e centrada, minha leitura religiosa das escrituras sagradas é mais profunda e compensadora. Significados mais profundos parecem vir à tona à medida que leio as várias passagens dos livros da Bíblia Sagrada.

Minhas orações se tornaram mais ricas. A vida se aquietou internamente, mesmo tendo se acelerado externamente. Eu pareço e me sinto mais jovem que minha idade.

A aflição que surge de ser um pastor numa paróquia católica em uma área urbana no século 21 no meio-oeste dos EUA, assim como de simplesmente viver no mundo moderno da comunicação instantânea, é potencialmente debilitante. A prática regular da MT provou ser um meio eficaz de dissolver estresse, assim como um meio sem esforço de me aquietar. Estes benefícios são atestados em numerosos estudos científicos que têm sido realizados com a técnica da MT.

O melhor “estudo”, no entanto, tem sido minha experiência pessoal. Eu tenho recomendado que amigos e membros da paróquia aprendam a técnica da MT. Alguns aprenderam. Aqueles que continuaram a praticar a técnica regularmente experimentaram os mesmos resultados que eu.

Eu certamente recomendo a Meditação Transcendental a todas as pessoas, particularmente a aqueles na sociedade que são responsáveis pelo crescimento intelectual e espiritual das congregações e estudantes. Eu tenho usado a MT como uma ferramenta que me ajuda em minha vocação como padre e como homem de fé e oração. A técnica só tem me ajudado e experimentar a base espiritual de minha crença religiosa num nível mais profundo.

Pe. Leonard Dubi 
é um pastor na Arquidiocese de Chicago

 

Padre Cletus Stein
2 de outubro de 2008

Queridos amigos católicos,

Eu sou um padre católico aposentado que pratica a Meditação Transcendental (MT), e assim praticou enquanto servia a Igreja Católica por quase 30 anos. Baseado em minha própria experiência, eu sei que a MT é uma técnica universal que está em harmonia com as metas de nossa religião. Ela não requer mudança no estilo de vida ou crenças pessoais, e é uma ajuda eficaz para nos tornarmos mais fortes em nossa própria fé. A Meditação Transcendental melhorou minha prática religiosa e tem sido uma grande ajuda para eu relaxar e me tornar mais alerta para meu trabalho e minha vida como um todo.

Eu servi em paróquias no Kansas por 20 anos e no Texas por 11 anos, também sendo capelão em hospitais e com estudantes. Fiz meus estudos de Teologia em Roma e fui ordenado lá em 1966. É minha experiência que a MT é uma forma excelente para me preparar para a oração. Também descobri que professores e praticantes de MT têm grande respeito por todas as religiões; portanto, eu acredito que a MT nos permite praticar o ecumenismo e não simplesmente falar sobre ele.

A meditação tem sido encorajada pela Igreja através dos tempos e pelos santos, incluindo a escritora de Nuvem do Desconhecer, Santa Teresa de Ávila, São João da Cruz, e muitos outros. A MT é uma técnica comprovada para se juntar a eles em meditação. Muitos estudos científicos, por anos, têm mostrado resultados significativos com a MT: sabe-se que melhora a saúde física e aumenta a clareza mental e a criatividade. É minha experiência que a prática da MT e os benefícios que ela traz só melhoram com os anos. Eu acredito que qualquer pessoa pode encontrar um grande valor em praticar esta meditação regularmente.

Padre Cletus Stein
é um padre católico aposentado

 

Irmã Carol Wirtz
25 de agosto de 2008

A Quem Interessar Possa:

Esta é uma carta de apoio à prática da Meditação Transcendental. Tenho sido uma freira católica por 22 anos e tenho praticado a Meditação Transcendental por 14 anos. Eu descobri que esta técnica é muito benéfica em diferentes aspectos de minha vida. Ela ajudou a acalmar e focalizar minha mente durante momentos de estresse, assim como na vida diária. Também percebi efeitos fisiológicos tais como menos tensão muscular, respiração mais calma e maior bem-estar geral. Além disso, há muitos estudos científicos para apoiar os benefícios da Meditação Transcendental.

Uma vez que a Meditação Transcendental não é uma religião, nem é ensinada como uma doutrina, ela não interfere ou cria conflito com minha fé cristã católica. Em meus anos de prática desta técnica, eu acredito que ela melhorou minhas orações e minha vida cristã.

Irmã Carol Wirtz vive em Anthony, New Mexico

Judaísmo 

Rabino Sênior Allan Green
27 de junho de 2008

A Quem Possa Interessar:

A primeira coisa que gostaria de dizer sobre a minha prática do programa de Meditação Transcendental por 37 anos é que sem ela eu jamais teria me tornado um rabino.  A Meditação Transcendental salvou minha vida judaica.

Resumindo, além de seus muitos outros benefícios, comprovados por mais de 600 estudos científicos, a técnica da Meditação Transcendental (MT) me deu uma referência experiencial para a palavra “Deus”. Permitiu perceber as verdades da tradição na qual eu fui educado, em um nível muito mais profundo do que seria possível sem ela. Eu sei que isso é verdade baseado na crescente clareza mental, emocional e espiritual que eu experimentei vindo diretamente da minha prática diária da MT.

Por causa dos resultados que adquiri da técnica, eu espontaneamente cresci na minha compreensão do Judaísmo, que é profundo amor por Deus, sua profunda apreciação de Seu universo, e sua busca pela criação de uma sociedade justa e um mundo em paz. Ao mesmo tempo, eu enfatizaria que a MT é realmente universal. Qualquer pessoa, de qualquer idade, educação ou raiz cultural pode praticar a MT sem esforço e de forma bem-sucedida, sem qualquer mudança em suas crenças e estilo de vida pessoal.

Com a prática regular da MT, as pessoas se tornam não apenas mais calmas, mais criativas e energéticas que antes, mas elas também crescem em amor, compaixão, sensibilidade ética, e apreciação por suas respectivas tradições religiosas. Em geral, estes ideais prevalecem muito mais na teoria do que na prática, mas o programa de MT transforma suave e eficientemente estes ideais em realidades da vida.

Portanto, eu recomendo a prática da Meditação Transcendental a todos os estudantes ou professores do Judaísmo (ou na verdade, de qualquer tradição religiosa) interessados em viver os mais elevados ideais de suas tradições na vida diária. Nas palavras dos rabinos, “Possamos então encontrar graça e iluminação, nos olhos de Deus e da humanidade”.

Allan Green
Rabino Sênior da Sinagoga Shaarey Zedek
Winnipeg, Manitoba, Canadá

 

Rabino Michael Shevack
2 de novembro de 2008

A Quem Interessar Possa:

Como rabino, eu gostaria de comentar sobre minha experiência da técnica da Meditação Transcendental (MT) com relação à prática de minha religião do Judaísmo.

Há uma má interpretação comum entre muitas diferentes religiões do “ocidente”, principalmente do Judaísmo, Cristianismo e Islamismo, de que a Meditação Transcendental é uma forma de algum tipo de adoração Hindu e, por isso, é pagã. Baseado em minha experiência direta com a técnica da MT, eu posso claramente dizer que esta idéia é uma má compreensão e, simplesmente, não é verdadeiro.

Na verdade, minha experiência como praticante da MT, desde os 17 anos (tenho agora 55) tem provado justamente o contrário. No início, eu fui atraído à MT como um meio de reduzir o estresse, e era muito impressionado pelas centenas de estudos que demonstravam que ela tinha um efeito positivo em baixar o estresse, a pressão arterial e melhorar o bem-estar geral, tanto mental quanto físico. No entanto, à medida que praticava a MT, eu descobri que estes benefícios eram na verdade meros “subprodutos” da experiência.

Eu percebi que estava me abrindo, dia após dia, meditação após meditação, a aquilo que considerei ser uma profunda experiência espiritual. Esta experiência não era “algo místico”, nem pertencia a “outra religião”. Esta experiência estava profundamente enraizada nas experiências práticas de vida do dia a dia, e como tal se tornou profundamente integrada com a minha prática do Judaísmo do dia a dia. Eu descobri que a MT me abriu a insights e compreensões intuitivas que me ajudaram a perceber que minha prática judaica “fazia sentido”; a MT tornou a observância de minha própria fé crescentemente avivada e espiritualmente vibrante.

Muitas décadas atrás, eu descobri uma citação de Maharishi que dizia, “À medida que você medita, espontaneamente você começa a compreender a religião do seu berço”. Isto se mostrou ser a verdade. Quanto mais eu meditava, mais se aprofundavam em mim os costumes, as tradições, a teologia e a prática da minha religião. A MT não me retirou do Judaísmo; ela, na verdade, me guiou de volta ao Judaísmo, com melhor compreensão, experiência espiritual mais profunda, e maior amor e comprometimento.

Eu tenho, portanto, recomendado a MT a muitos judeus da minha congregação, assim como todos os buscadores da Verdade, incluindo muitos do Cristianismo e do Islamismo. Baseado na minha experiência, posso dizer que não há o que se temer sobre a MT. Se você é cristão, ela o tornará mais cristão. Se você você é judeu, ela o tornará mais judeu. Se você é muçulmano, ela o tornará mais muçulmano. Por conta da crescente apreciação da sua própria fé através da MT, a pessoa não busca outras religiões; a pessoa se torna realizada na sua própria religião.

Por fim, como um líder no diálogo interreligiões, que trabalhou com muitas das nobres religiões do mundo, eu acredito que a MT pode oferecer uma porta aberta a uma compreensão e experiência espiritual comum, que pode ajudar a criar e acelerar o desenvolvimento do respeito e compreensão mútuos das religiões do mundo, ao aprofundar e avivar o fundamento espiritual universal sobre o qual todas elas estão baseadas.

Em resumo, é uma abordagem rápida, eficaz e universal para a paz.

Michael Shevack é rabino na The Bucks County Free Synagogue 
em Point Pleasant, Pennsylvania

Igreja Metodista Unida

Reverendo Jonathan Chadwick
4 de novembro de 2008

Queridos amigos,

Gostaria de ter um breve momento para abordar a questão do ensino da técnica da Meditação Transcendental (MT) nas escolas públicas.

Há muitos anos, aprendi a MT enquanto estava na escola secundária, e durante esse tempo tive oportunidade de assistir a vários cursos de residência de fim-de-semana da MT, chefiados pelo Dr. John Hagelin, que atualmente é o líder nacional do movimento de MT nos EUA. Além disso, fiquei feliz por gastar meu segundo ano de faculdade em residência na Maharishi International University em Fairfield, Iowa. Após a graduação da Universidade de Boston e do seminário, eu fui então durante doze anos pastor em tempo integral de várias igrejas Metodista Unida em toda Iowa.

A relação entre a meditação e a religião é uma questão complexa e interessante. Durante meus anos como ministro, minha exploração desta pergunta foi detalhada e incluiu o diálogo sobre este tópico com o bispo Rueben P. Job, que me ordenou duas vezes. Em geral, cheguei à conclusão de que a prática de MT realmente não entra em conflito com qualquer religião; pelo menos, quaisquer “pontos de discórdia” que possam surgir decorrentes da opinião de alguns, são enormemente superados pelos benefícios da MT, muitos dos quais foram documentados por anos de investigação científica.

Por favor, note que eu não faço esta afirmação precipitadamente. Por mais de três décadas fiz perguntas difíceis sobre esta matéria aos professores de MT, e suas respostas foram bastante satisfatórias. Além disso, nos últimos anos, eu usei isto como argumento para me comunicar com alguma profundidade com muitos críticos importantes da MT. Quanto a mim, a MT passa facilmente no teste.

Talvez a melhor palavra de ordem sobre estas considerações é “diversidade”. Minha própria alma mater, Escola de teologia da Universidade de Boston, produziu diplomados tão diferentes como Norman Vincent Peale e Martin Luther King Jr. Portanto, é no seu espírito de profética positividade que gostaria de encorajar você a verificar a MT, tanto para si mesmo e quanto em sua escola pública. Pessoalmente, não posso me imaginar continuando a evoluir sem ela.

Reverendo Jonathan Chadwick
serviu como pastor de várias igrejas Metodista Unida por toda Iowa

Igreja Unida 

Reverendo Don Lansky
30 de junho de 2008

A quem interessar possa:

Quando eu aprendi a técnica da Meditação Transcendental em 1970 era um agnóstico declarado. Durante meus anos de prática da técnica da MT, me descobri crescendo em uma maior consciência de algo muito maior do que eu próprio.

Particularmente nos retiros residenciais de MT que participei, esta consciência continuou a florescer em um profundo apreço e gratidão pelo Criador — e um amor profundo e fiel por Jesus Cristo. Em nenhum momento encontrei um conflito entre a MT e minhas crenças e práticas religiosas. Na verdade, o programa de MT não apenas serviu para reforçar a minha fé em Deus, ela também tem aprofundado minha vida de oração.

Quando aprendi a MT em 1970, havia apenas um único estudo científico realizado pela Escola de Medicina de Harvard. Hoje, a MT é a técnica de meditação mais amplamente pesquisada no mundo, com mais de 600 estudos científicos que comprovam seus benefícios para a melhoria da saúde e bem-estar geral.

Em um nível mais prático, não consigo imaginar ser um ministro sem minha prática diária da MT, duas vezes ao dia. O repouso profundo e o silêncio da técnica da MT me ajudam a encontrar o equilíbrio, a energia e a conexão espiritual para lidar com as exigências rigorosas e as tensões do Ministério. Em suma, sou um ministro melhor devido ao programa de MT.

Com minha experiência direta da técnica da MT por mais de 38 anos e o crescente corpo de pesquisa científica, posso recomendar firmemente o programa de MT. Especialmente recomendaria a técnica da MT para meus irmãos e irmãs no clero, seja qual for sua tradição de fé ou denominação.

Reverendo Don Lansky
é co-ministro da Igreja Unida em Charlottesville, Virginia

Mormonismo

Mórmon, Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias
Alto Sacerdote Marc Stephens
19 de março de 2009

Aos mórmons e todas as pessoas de fé, eu cresci na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Com a idade de 15 anos, eu temporariamente saí, pois tinha questões que não eram respondidas, e me disseram para simplesmente ter fé. Eu não fiquei satisfeito. Após praticar a Meditação Transcendental (MT) por anos, e com a orientação pessoal de Maharishi Mahesh Yogi, retornei à Igreja Mórmon com a idade de 32 anos. Com a prática regular da MT, experimentei um crescimento espiritual que me deu uma nova apreciação do Evangelho e das escrituras. Eu me lembro de ler a Doutrina e Alianças, Seção 88: 6-13, e eu exclamei para minha esposa, “Meu Deus, será que eles sabem o que têm nas mãos?” O fundador da Igreja Mórmon, Joseph Smith, disse “A mente ou a inteligência que o homem possui é semelhante ao próprio Deus”. A MT oferece a experiência direta de nossa natureza, luz e verdade, o campo de inteligência pura. Este estado de inteligência ou consciência pura é o que alguns cientistas contemporâneos de pesquisa cerebral chamam de Quarto Estado de Consciência. É chamado de quarto estado porque é distinto dos estados de consciência comuns de vigília, sonho e sono, em termos de medidas de ondas cerebrais e muitas outras medidas fisiológicas. Nos últimos 38 anos, centenas de estudos científicos documentaram os benefícios de saúde, crescente criatividade, inteligência, e relacionamentos harmoniosos, resultantes da experiência deste campo do Ser puro e ilimitado, a inteligência pura dentro de cada um de nós. O presidente Hinckley disse repetidamente, “A essência da Divindade está dentro de nós”, (Conferência Geral de outubro de 1993) e ele encorajou todos os membros de nossa fé a “Elevar-se à Divindade dentro de nós” (Conferência Geral de outubro de 2002). . . . Um componente essencial do Evangelho é o princípio de se buscar cada vez mais a luz e o conhecimento. Brigham Young explicou que “É nosso dever e clamor, reunir todas as verdades no mundo... e trazê-los para Zion.” Ainda mais, ele disse, “Todo conhecimento e sabedoria, e todo o bem que o coração do homem pode desejar está dentro do circuito e círculo da fé que abraçamos.” É importante enfatizar que a prática da MT não requer qualquer mudança nas crenças e práticas religiosas da pessoa; ela simplesmente permite que a pessoa experimente a realidade eterna não-mutável e viva e aprecie plenamente sua religião. Como o presidente Lee afirmou em 1973 após investigar a MT, “Eu acredito que se os membros da Igreja praticassem a MT, eles seriam capazes de viver sua religião”.

Os Artigos da Fé da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias terminam com esta afirmação: “Se há alguma coisa virtuosa, amorosa, ou de boa reputação, ou digna de louvor, nós buscamos por estas coisas.” Considerem cuidadosamente esta afirmação do presidente David O. Mckay, que enfatizou o significado da verdadeira religião na Conferência Geral da Sessão do Sacerdócio em abril de 1967: “Foi dito que a ‘consciência de Deus’ é a mais elevada realização na experiência humana e é a meta suprema da vida humana. Isto é a verdadeira religião. É uma experiência mental e espiritual da mais alta ordem”. A MT é simplesmente uma ferramenta para fornecer a experiência direta da “consciência de Deus”, aquele campo puro de inteligência, a divindade interior, para perceber e abranger maior luz e verdade, para crescer em consciência e compreensão e realizar seu pleno potencial, a plenitude da vida.

Atenciosamente,

Marc Stephens
Membro, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias
Sumo Sacerdote do Sacerdócio de Melquisedeque, Salt Lake City, Utah

Islamismo

25 de março de 2009

A todos os interessados em autodesenvolvimento,

Eu sou um muçulmano praticante que pratica a Meditação Transcendental (MT) e não posso nunca esquecer a primeira vez que eu rezei após minha primeira meditação. Aprendi a técnica da MT em dezembro de 2006: Eu fiquei sem fala e não posso explicar este estado de completa serenidade, contentamento e gratidão a Deus. A MT aumentou meu nível de aceitação e apreço pela minha fé e reforçou minhas convicções.

Por exemplo, ler o Alcorão está se tornando mais agradável e ao mesmo tempo confortante, pois agora posso vincular melhor seus ensinamentos com tudo à minha volta: meu nível de compreensão de seus significados está aumentando diariamente. Está claro para mim que quanto mais eu pratico a MT e o programa de MT-Sidhis (o programa de MT-Sidhis é um conjunto de técnicas avançadas com base na MT), mais profundamente eu percebo diferentes aspectos da minha religião e a minha missão na vida.

Por toda a minha vida tenho me perguntado sobre a criação e a finalidade da vida, mas agora minhas humildes visões foram confirmadas, pois sempre tive uma forte convicção de que tudo está acontecendo por uma razão. Eu descobri que é mais fácil ter fé em como a vida se revela através da sabedoria de Deus se eu me sinto mais seguro e em paz dentro de mim mesmo. Mesmo se eu não compreendo perfeitamente, em um nível intelectual, o que está acontecendo, minha crescente paz interior permite me sentir mais confortável em lidar com quaisquer situações que a vida coloca no meu caminho.

É claro para mim que minha prática diária da MT e do programa avançado MT-Sidhis abriu meus olhos e coração para um maior conhecimento e experiência. Por causa desta expansão do coração e mente, eu descobri que eu espontaneamente ajo de forma mais positiva e elevadora com os outros, com mais amor, perdão e compaixão, que é exatamente tudo o que é a minha religião e crenças. Eu estou desfrutando me sentir mais em harmonia com a criação de Deus e desejando ajudar a sociedade de todas as formas que puder.

Com a meditação me sinto ilimitado dentro de mim mesmo, e após praticá-la, me sinto mais flexível, mais alerta e com uma maior capacidade de me concentrar no meu trabalho, e posso pensar mais claramente e criativamente. Também, quando executo minhas práticas religiosas, toda a experiência se torna mais profunda e mais espiritual.

Finalmente, gostaria de dizer que, embora a MT e o programa de MT-Sidhis não sejam uma religião e não exijam qualquer alteração das crenças pessoais ou práticas culturais da pessoa, eles complementam muito bem a religião, pois ajudam a eliminar tensões e estresses mentais, emocionais e físicos. Por experiência própria, eu posso dizer que a dissolução de tensões e estresses purifica e reforça o organismo, o coração e a mente, e resulta em uma maior capacidade de viver a própria vida em harmonia com os objetivos mais altos de nossa vida religiosa.

Desejando tudo de bom,
 
Miral Shaaban 
Cairo, Egito